Retirada bandeira vermelha dos irrigantes

December 14, 2015

 

 

Retirada bandeira vermelha dos irrigantes

 

A retirada da bandeira tarifária vermelha das contas de energia elétrica para as lavouras irrigadas diminui em torno de 23% os valores pagos pelos produtores de arroz. No último dia 8 de dezembro a presidente Dilma Rousseff sancionou projeto de lei aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado que termina com a incidência desta bandeira na Aquicultura e no Rural Irrigantes em todo o Brasil.

A Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz), em conjunto com os Conselhos de Consumidores, trabalhou para reverter essa cobrança desde janeiro deste ano quando o regime de bandeira vermelha foi implantado. Conforme o diretor financeiro da federação, Gustavo Thompson, outras entidades do setor também participaram desta negociação junto a parlamentes e governo, para buscar caminhos que diminuíssem os gastos dos produtores.

A redução nas contas de energia elétrica para os irrigantes será de R$ 0,045. Portanto, a partir deste mês de dezembro o valor cobrado por Kilowatt-hora (kW/H) entre 22h e 6h30min, baixará de R$ 0,14 para R$ 0,095, e no horário entre 6h30min e 19h, passará de  R$ 0,28 para R$ 0,235.

Thompson explica que a nova lei já está valendo a partir da sanção presidencial. No entanto, a regulamentação pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve ocorrer no início de janeiro de 2016. “No momento em que ocorrer a regulamentação, o desconto nas contas de luz para os produtores será retroativo a 8 de dezembro, data em que a lei foi sancionada”, observa.

Levantamento da Federarroz apresentado na semana passada mostrava que a entrada da medida das bandeiras tarifárias trouxeram um aumento de 104% no custo da energia elétrica para os arrozeiros no período de um ano.

 

 

 

Guerra Fiscal

 

O presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, participou na última quarta-feira, dia 9 de dezembro, de reunião na Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul. Em pauta ação referente aos problemas com o governo do Estado de São Paulo após a adoção do decreto 61.589/2015, que isentou alimentos da cesta básica (feijão e arroz) da incidência do tributo referente ao ICMS.

A entidade analisa que a medida adotada está dificultando que o cereal produzido no Estado do Rio Grande do Sul seja enviado para o território paulista, já que a assimetria fiscal tornará a concorrência do arroz gaúcho, em comparação com o grão produzido no Paraguai, por questões de infraestrutura e logística e, agora, fiscal-tributária, totalmente desleal.

A Federarroz já solicitou ao governo paulista a adoção de medidas no sentido de rever os termos do decreto visando a isonomia tributária entre os mercados abastecedores do arroz para o mercado consumidor paulistano.

 

 

 

Debate na Abertura da Colheita 

 

Sobre o assunto da guerra fiscal, foi definida que uma audiência pública do Senado será realizada na tarde de sexta-feira, 19 de fevereiro, durante a Abertura Oficial da Colheita do Arroz, em Alegrete (RS). O objetivo é debater e criar ambiente positivo para a implantação definitiva de lei nacional com objetivo de eliminar a guerra fiscal entre os estados que vem interferindo na renda do campo e privilegiando o produto importado. 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Featured Posts

Eletroeste e IAC/ITF instala os primeiros medidores de vazão no projeto do Rio Formoso

May 20, 2017

1/1
Please reload

Recent Posts

June 15, 2018

March 22, 2018

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square